TEATRO
Acompanhe o melhor do teatro adulto e infantil! As principais estreias nos palcos estão aqui.
Não deixe de ler as matérias e críticas.

Entrevistas e dicas de espetáculos

WALDEREZ DE BARROS NO PRÓLOGO - Com Lavínia Pannunzio e Leonardo Ventura
Publicado em 27/07/2020, 22:00
30
Facebook Share Button
WALDEREZ DE BARROS NO PRÓLOGO - Com Lavínia Pannunzio e Leonardo Ventura - 27/07/2020
https://www.youtube.com/watch?v=1-s-LxdxPuE&t=2814s
¨NADA SUBSTITUI O CONTATO ENTRE AS PESSOAS. TEATRO É ARTE COLETIVA E PRESENCIAL¨ WALDEREZ DE BARROS
A sua dica – preciosa - de livro para quem deseja se dedicar à arte é a GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUESA.

SOBRE WALDEREZ
Claudio Fontana - ¨Com Walderez entendi o que é ofício do ator !!¨
Letícia Vilela - ¨Trabalhar ao lado de Walderez foi honra, escola e um prazer imenso, até hoje me alimento daqueles momentos¨.


WALDEREZ SOBRE GABRIEL VILLELA – Trabalhar com Gabriel é o Paraíso. É romper a estrutura¨. Nos seus trabalhos o uso do corpo e voz é tudo uma grande brincadeira. ¨Eu descobri o lúdico no teatro¨, destaca a atriz.
WALDEREZ SOBRE CLAUDIO FONTANA - Amigo irmão, um grande ator. (Como ator) A cada peça ele acrescenta coisas novas, faz tudo diferente¨. Também destacou a competência como produtor e a sua ótima relação com o elenco. É um grande companheiro de cena¨, complementa.
Assistir a uma conversa com a atriz Walderez de Barros é uma aula de teatro. São 60 anos de trajetória nos palcos.
O bate-papo teve início com falas a respeito de como a arte está se apresentando na pandemia, com a exibição de peças on line e as chamadas lives.
Walderez disse que estamos carentes da presença do outro e o teatro só se faz com essa presença. O que estamos acompanhando são vídeos de uma peça, que pode nos emocionar, mas que não é teatro.
Wal falou um pouco sobre a vida em Ribeirão Preto, a sua cidade natal, e a vinda para São Paulo, com os pais, para estudar.
Lembrou que em Ribeirão era declamadora oficial, mas nunca tinha entrado em contato com o teatro. Não tinha acesso a ele pelos custos das peças e por falta do contato com pessoas ligadas às artes cênicas; até então a sua referência era Hollywood.
A descoberta do teatro -
Descobriu que existia curso de arte dramática já em São Paulo, através de uma amiga, mas ainda não pensava que um dia seria atriz.
Começou a cursar Filosofia na USP, na sede da Maria Antonia, e foi lá que começou a entrar em contato com o universo das artes cênicas.
O teatro começou a fazer parte da sua vida através da política, participando do Centro Popular de Cultura – CPC - com Fauzi Arap, num momento de muito agito na Maria Antonia. Nunca se envolveu com partidos e já tinha contato com a política através de seu pai e do jornal A Última Hora, que ele assinava.
A sua formação –
Não teve formação acadêmica e não conhecia os autores de teatro, mesmo com relação às tragédias gregas, o seu conhecimento era relacionado somente à literatura.
Trajetória no teatro -
Citou artistas que a ensinaram muito – Fauzi Arap que conheceu assistindo a um espetáculo no Teatro oficina e depois foi trabalhar com ele no CPC; Eugênio Kusnet, com quem fez aulas de teatro e conheceu, por exemplo, a importância de Stanislavski.
A busca do conhecimento aconteceu através de muita leitura e nunca teve a pretensão de conquistar o sucesso.
Walderez tem o hábito de ler e reler obras e considera esse hábito essencial para um artista, para o seu aprendizado. ¨É fundamental a curiosidade do conhecimento para o artista ( que usa a palavra como comunicação). Ler é essencial¨, afirmou.
Claudio Fontana, amigo que já contracenou com Walderez em As Traças da Paixão, direção de Marcio Aurelio, A Ponte e a água de piscina, direção de Gabriel Villela, e produziu Hécuba e Rainhas do Orinoco, espetáculos também dirigidos por Villela, questionou a atriz sobre método de representação.
Walderez não tem um método e fez questão de frisar que está sempre aberta às estéticas dos diretores com quem trabalha, sem pré-conceitos. Chega a um ensaio com apenas algumas leituras do texto para que a partir do contato com o diretor, elenco e equipe, comece a criar a personagem e a decorar as falas.
¨O foco do teatro está na palavra que traz junto com ela coisas que estão no corpo, na alma, no espírito do ator¨, assinala afirmando que na interpretação corpo e voz – a palavra – caminham juntos.
Com relação aos diretores com os quais trabalhou, entre eles Jorge Takla e Gabriel Villela, Walderez disse que aprendeu com todos.
O encontro com Gabriel Villela –
O encontro com Villela aconteceu num momento difícil, em que
Walderez estava buscando outros rumos na sua vida.
Quem conferiu A Ponte e a água de piscina,Fausto Zero, Hécuba e Rainhas do Orinoco, espetáculos dirigidos com maestria e com a magia típica de Gabriel Villela, sabe o quanto essas experiências são incríveis na trajetória da atriz. Trabalhos de uma entrega e intensidade que impressionam.
Segundo a atriz foi muito especial. ¨Trabalhar com Gabriel é o Paraíso. É romper a estrutura¨. Nos seus trabalhos o uso do corpo e voz é tudo uma grande brincadeira. ¨Eu descobri o lúdico no teatro¨, destaca a atriz.
A Ponte e a água de piscina era diferente de tudo o que a atriz vinha fazendo e, com essa peça, ela entrou novamente em contato com o universo do circo-teatro, que foi a sua única experiência com a arte, como espectadora, durante o período em que residiu na cidade de Ribeirão.
Walderez disse que o encontro com o diretor foi especial não somente com relação ao teatro, mas o elogiou também como ser humano. É encantada pela maneira com a qual Gabriel lida com os outros, especialmente no seu sítio (local onde boa parte de suas peças são geradas, com a presença dos elencos). ¨Gabriel é mineiro e Ribeirão também é Minas. Foi um encontro com as minhas raízes¨
Elogiou como Gabriel conduz o seu trabalho, aprontando o figurino já para o primeiro dia dos ensaios ( algo que é raro acontecer com outros diretores). Também disse que vivenciou com ele os melhores ensaios de mesa.
Claudio Fontana –
A atriz também citou o carinho e admiração que tem por Claudio Fontana, como ator e diretor. ¨Amigo irmão, um grande ator. (Como ator) A cada peça ele acrescenta coisas novas, faz tudo diferente¨. Também destacou a competência como produtor e a sua ótima relação com o elenco. É um grande companheiro de cena¨, complementa.
Foi através de Claudio, vale dizer, que Walderez conheceu Villela, quando os atores contracenaram no espetáculo As Traças da Paixão.
A conversa teve como foco novamente a formação do ator e também o modo de criação da atriz. Deu exempos de suas experiências.
Walderez contou que a aflige muito ter contato com um artista que não sabe ler, não sabe interpretar um texto. Frisou que o interesse em aprender é essencial. ¨O ator tem que tomar posição, tem que estar ligado em tudo e ler muito¨.
A sua dica – preciosa- de livro para quem deseja se dedicar à arte é a GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUESA.
Trabalhos na TV e cinema –
Afirmou que gosta de trabalhar na TV, que ela não traz a mesma profundidade do teatro, como sabemos, mas que é bom se divertir. Também falou sobre as diferenças da interpretação no palco e em frente às câmeras.
A conversa durou cerca de 1h30 e vale a pena assistir para ter contato com os detalhes de suas falas, riqueza de conteúdo sobre a arte e a vida, para quem faz teatro e para os amantes das artes.
Para quem não sabe, Walderez já enveredou pelo ramo da literatura, escrevendo, mas os arquivos acabaram sendo hackeados.
O que a encanta é ter um bom texto pra interpretar e recentemente, Walderez de Barros interpretou a poeta Cora Coralina, no filme Todas as vidas, como bem lembrou Lavínia. .
Cecilia Matuk - Essa voz é poderosa. Voz marcante. Qdo fala parece que canta.
Claudio Fontana - Com Walderez entendi o que é ofício do ator !! Dividir o palco com ela em Traças da Paixão, de Alcides Nogueira, foi um divisor de águas...
Claudio Fontana - ¨O que foi Walderez em Hécuba?

Claudio Fontana - Fausto Zero, Traças da Paixão, Rainhas do Orinoco são outros exemplos de excelência !!!!¨

Letícia Vilela - ¨Trabalhar ao lado de Walderez foi honra, escola e um prazer imenso, até hoje me alimento daqueles momentos¨.

Lindsay Castro Lima - ¨Tem uma estrofe de um poema da Walderez que me instiga muito nesses dias absurdos: "...que barreira posso colocar à frente desse precipício..." queria saber se ela está escrevendo nesses tempos¨.
DE OLHO NA CENA ® 2015 - Todos os Direitos Reservados
. . . . . . . . . . . .

DE OLHO NA CENA BY NANDA ROVERE - TUDO SOBRE TEATRO, CINEMA, SHOWS E EVENTOS Sou historiadora e jornalista, apaixonada por nossa cultura, especialmente pelo teatro.Na minha opinião, a arte pode melhorar, e muito, o mundo em que vivemos e muitos artistas trabalham com esse objetivo. de olho na cena, nanda rovere, chananda rovere, estreias de teatro são Paulo, estreias de teatro sp, criticas sobre teatro, criticas sobre teatro adulto, criticas sobre teatro infantil, estreias de teatro infantil sp, teatro em sp, teatros em sp, cultura sp, o que fazer em são Paulo, conhecendo o teatro, matérias sobre teatro, teatro adulto, teatro infantil, shows em sp, eventos em sp, teatros em cartaz em sp, teatros em cartaz na capital, teatros em cartaz, teatros em são Paulo, teatro zona sul sp, teatro zona leste sp, teatro zona oeste sp, nanda roveri,

CRISOFT - Criação de Sites ® 2005
HOME PAGE | QUEM SOU | TEATRO ADULTO | TEATRO INFANTIL | MULTICULTURAL | CONTATO
CRÍTICAS OPINIÕES CINEMA
MATÉRIAS MATÉRIAS SHOWS
ESTREIAS ESTREIAS EVENTOS